Conversa 4 – Vivendo pela Esperança: Junte-se às Vozes da Floresta

A quarta conversa da série de 7 foi organizada pela Transição México, mostrando diversas comunidades que defendem a floresta – seu território e cultura – trabalhando juntas por uma vida melhor.

Assista ao vídeo (abaixo) para saber mais.

 

Neste vídeo, você terá notícias:

  • O Ve’i Ñuu Savi, ou Povo da Chuva – um grupo de tecelãs que defendem as florestas de Mixteca Alta em Oaxaca, México.The Union of Cooperatives in Tosepan – a collective of 495 cooperatives who have been organizing for 45 years in the Sierra Nororiental in Puebla, Mexico.
  • A União das Cooperativas na Tosepan – um coletivo de 495 cooperativas que se organizam há 45 anos na Sierra Nororiental em Puebla, México.
  • O projeto Zurciendo el Planeta – um coletivo latino-americano de bordadeiras trabalhando em conjunto para criar uma Floresta de Esperança que agora está percorrendo o continente.

Ao ouvir estas histórias, empatizamos e aprendemos com a experiência destas comunidades – das lutas que infelizmente são comuns em toda Abya Yala, mas também aprendemos sobre como as comunidades estão se coordenando com sucesso para enfrentar e lutar pela proteção de sua cultura, sua terra e seu modo de vida.

Você pode assistir à gravação de todo o evento aqui (em espanhol):

Aqui está um resumo do que você vai encontrar no vídeo:

Anahi Martinez Encinas fez uma introdução sobre o México e seu contexto. O México tem uma enorme variedade de climas e ecossistemas e é um dos países mais biodiversificados do mundo, com muitas áreas protegidas. Demonstrando esta diversidade, Anahi explicou que há 17 milhões de indígenas (15% da população) no México, em quase 70 cidades com quase 70 idiomas falados e ainda mais dialetos, e um enorme número de sítios arqueológicos.

A Transição México tem cerca de 15 iniciativas pelo país. Aqui, você encontrará também uma enorme diversidade de projetos – focados em educação, eventos comunitários, promoção de iniciativas em todo o país e além dele, reconomia, moeda local e muito mais. Alguns dos projetos mais ativos incluem

  • Bosquealdea – um livro para crianças e qualquer pessoa que queira uma introdução às economias alternativas,
  • Herramientas Agiles – um curso online para ajudar na ação de base.
    Café de reparos
  • Jardins comunitários.
  • Mapa do Futuro – um mapa no qual você pode visitar projetos, assistir vídeos e explorar o que está acontecendo no México.

Anahi reconheceu que às vezes é perigoso ser um ativista ambiental em defesa de territórios no México.

A ideia da conversa foi dar um sabor do que essas comunidades estão fazendo para defender sua cultura e suas terras, tanto a luta quanto a celebração.

 

Florina Mendoza Jímenez do Coletivo Ve’i Ñuu Savi, (Casa da Nação da Chuva) e da Rede do Futuro Indígena

Florina deu mais contexto, explicando que, como em muitos países, as comunidades no México não estão apenas defendendo suas terras, mas também suas línguas, e que para isso, muitas comunidades estão fazendo conexões e alianças entre comunidades para fortalecer sua voz. Esta amplificação e narrativa mostra o progresso que está sendo feito, e promove a realidade de que outro modo de vida é possível.

Nas últimas décadas, os governos neoliberais não apenas no México, mas também em outros países, têm se desenvolvido e esta forma de governar é uma ameaça às comunidades indígenas. No México, a mineração e os megaprojetos estão redefinindo territórios (muitas vezes sem permissão) e extraindo recursos para o mercado global, ao mesmo tempo em que têm um efeito local prejudicial.

No entanto, há ação e há esperança. Florina deu o exemplo de Maria de Jesus Patricio Martinez, também conhecida como Marichuy, ela foi escolhida como porta-voz indígena representante pelo Congresso Nacional Indígena para as eleições de 2018 e concorreu como candidata independente para a Presidência do México. Este é um exemplo de como as alternativas de base estão exigindo mudanças políticas a partir do zero, e se erguendo para se candidatar a diversas comunidades.

 

Ilse Riaño Paz, de Oaxaca, México, fez um relato de primeira mão de sua experiência na defesa do território. Ilse e sua comunidade estão atualmente deslocadas, e ela está morando em um albergue longe de sua casa. Ela falou sobre a importância de seu território e da floresta, de sua história e de suas plantas medicinais.

Há sete meses, Ilse e sua comunidade foram atacadas por grupos armados, que queimaram as casas de sua cidade, forçando as pessoas a ir embora. Este grupo armado atacou três comunidades, deixando três mortos e três desaparecidos. Ilse e alguns dos moradores estão agora lutando em um albergue, vivendo em más condições, com pouca comida ou apoio do governo. Eles estão plantando sementes para cultivar alguns alimentos para comer – rabanete, alface, tomate – e também para vender. Eles criaram uma escola para as crianças.

O governo local nem sequer visitou e foram as iniciativas locais que ofereceram ajuda. Florina é uma representante de uma das organizações que ofereceram ajuda, ligando-as com iniciativas locais, para ajudar com alimentação, educação e água.

Florina ajudou a organizá-los / vinculá-los com iniciativas e apoio. Não apenas para alimentação e educação, mas também para água. Juntos eles continuarão a lutar pela justiça e pelo retorno de suas terras.

 

Depois conhecemos Paulina Garrido Bonilla da Union de Cooperativas Tosepan, sediada na região de Puebla, no México.

A União Cooperativa Tosepan foi criada há 45 anos, em 1977. O sindicato é formado por 495 cooperativas locais, envolvendo 47.500 pessoas, das quais 78% são de comunidades indígenas e 64% são mulheres. O objetivo do Sindicato é ajudar a melhorar a qualidade de vida dos indivíduos e de suas famílias através do trabalho organizado.

Paulina mostrou como o Sindicato está organizado com representantes de cada cooperativa, trabalhando em grupos em torno de temas como ecoturismo, saúde, café, mel, bambu e finanças. Eles também dirigem um centro de treinamento, uma estação de rádio comunitária e uma fundação que oferece apoio para a educação, moradia, saúde e cultura.

O objetivo da União é ajudar as cooperativas, indivíduos e famílias a entrar:

  • Um lar estável e uma alimentação saudável.
  • Fortalecer as alianças para que possam diversificar sua renda
  • Oferecer treinamento para desenvolver constantemente habilidades e talentos
  • Proteger a língua e identidade locais através da educação e celebração
  • Criar espaços de reflexão onde homens e mulheres possam viver juntos em igualdade.
  • Defender territórios em risco de projetos de mineração e energia

Você pode encontrar mais informações sobre a União de Cooperativas Tosepan aqui – https://www.tosepan.com/

 

Encontramos então Dora Napolitano representando o “Zurciendo el Planeta” (Cerzindo o Planeta). O projeto começou a partir de uma série de oficinas ensinando as pessoas a reparar e fazer uso de roupas e tecidos velhos. Desde então, o projeto evoluiu para um coletivo de bordadeiras em toda a América Latina.

Dora explicou que durante a pandemia, o projeto ofereceu oficinas virtuais sobre temas como materiais reciclados, jardins urbanos, artesanato ativista e reparos. Quando as restrições pandêmicas começaram a ser levantadas, o grupo decidiu criar uma floresta bordada de 154 árvores de todo o continente, que foi levada à COP em Glasgow. A Floresta da Esperança está agora em turnê pela América Latina, reunindo as pessoas para considerar como a humanidade poderia trabalhar melhor em comunidade como uma floresta, protegendo os recursos naturais ao nosso redor.

Dora explicou que a comunidade do projeto Cerzindo o Planeta está crescendo e que os indivíduos estão encontrando um lugar de apoio para pessoas que se preocupam profundamente com os recursos e o futuro do planeta. Eles se encontram todas as semanas e mesmo que nem todos se encontrem pessoalmente, a comunidade está compartilhando experiências e nutrindo uns aos outros.

 

Para saber mais sobre o Movimento de Transição, projetos e iniciativas no México, visite www.transicionmexico.org ou siga a Transición México no Facebook ou Instagram.

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.